História de Superação: A lição de Sabrina

Certas pessoas têm realmente o dom de nos surpreender.

Uma delas, sem dúvida, é a doce e alegre Sabrina Assunção, moradora de Cotia, a jovem de 35 anos  deu a volta por cima e superou um difícil obstáculo.

Se você está precisando de um pouco de inspiração, conheça essa incrível história de superação.

Sabrina conta que tudo aconteceu de repente:

“Aos 27 anos, eu andava perfeitamente trabalhava em uma empresa, estudava, tinha uma vida normal. Com o tempo comecei a sentir uma forte dor no abdômen e devido as dores, eu tinha idas frequentes ao hospital”.

Os médicos suspeitavam de uma infecção urinária, no entanto, os exames não detectavam nada. Até que no dia 13/05/2009, ela começou a se sentir muito mal.

“Eu senti uma forte dor, como eu nunca havia sentido antes, as dores aumentavam e irradiavam por todo o meu corpo. Fui levada as presas ao Hospital Regional de Cotia”.

Mais uma vez, ela realizou diversos e incontáveis exames, todos sem um diagnóstico conclusivo e então, no dia seguinte (14/05/2009) os médicos decidiram realizar uma cirurgia para verificar o que realmente estava acontecendo.

Durante a cirurgia os médicos descobriram um tumor benigno oculto na trompa esquerda, que estava se rompendo. Foi necessário a remoção do tumor, do útero (histerectomia) e das trompas de Falópio (salpingooforectomia), fato que agravou a situação de Sabrina.

“Depois da cirurgia tive infecção generalizada e fiquei em coma por 3 meses, em estado grave”.

Sabrina ainda detalha que a equipe médica achava que a qualquer momento ela morreria ou iria passar o resto dos seus dias na UTI.

“Fiquei com várias marcas de escaras pelo corpo, meus pés e mãos atrofiaram devido o tempo de coma.”

Hoje, Sabrina se considera absolutamente feliz e curada.

“A gratidão de quem perdeu tudo é muito maior do que quem não sabe o valor do que se tem. Eu sei o valor do ar que eu respiro, porque fiquei no respirador e me alimentando por sonda”, conta ela.

1 ano após descobrir o tumor benigno, ainda se recuperando das sequelas.

“Voltei para casa sem falar e sem andar, mas só do fato de eu estar VIVA, para mim já era uma alegria e me dava forças para lutar.  A gratidão mudou o meu olhar para as coisas, o valor que dou para a vida. Sou uma pessoa mais intensa, mais comprometida com a vida, vivo sempre como se não houvesse amanhã. Percebo a vulnerabilidade que é a vida e dou valor para todas as coisas”.

Caminhar com apoio do andador é um motivo de alegria e agradecimento para Sabrina.

 

Para reabilitação, com o tempo Sabrina começou a fazer fisioterapia e equoterapia (também chamada de hipnoterapia), no Cotolengo.

Sessão de Equoterapia- Pequeno Cotolengo Paulista- Cotia/SP

A equoterapia  (um tipo de terapia com cavalos) ajuda na estimulação e desenvolvimento da mente e do corpo.  Sabrina também fez fisioterapia no bairro Portão, e hidroterapia com a dra. Magda em uma academia em Caucaia do Alto- Cotia.

Com o tempo ela foi aprendendo a lutar e melhorando aos poucos.

“Quero dar apoio à outras pessoas que passam ou passaram por situações parecidas. Frente a frente com a morte, percebi que meus recursos não eram suficientes. Quando a ciência esgota as possibilidades, você precisa ter fé, pois a razão já chegou ao limite. Quero dar o meu testemunho a todos”, diz ela.

 

Comments

comments

Inline
Inline