Guerra na Síria você sabe qual o lado é o certo?

Na noite de quinta (06), os EUA lançaram 59 mísseis Tomahawk contra uma base aérea da Síria, o ataque foi uma resposta ao uso de armas químicas que matou 80 pessoas feita pelo ditador Bashar Al-Assad que governa o país à 17 anos.

Os mísseis atingiram a base de Al Shayrat, perto de Homs, por volta das 21h40 (hora de Brasília), 4h40 na hora local da Síria. O porta-voz do Pentágono, Jeff Davis, disse que os mísseis foram lançados dos destróieres USS Porter e USS Ross contra “aeronaves, abrigos de aviões, áreas de armazenamento de combustível, logística e munição, sistema de defesa aérea e radares”.

A guerra na Síria já dura 6 anos, ela se iniciou em 2011 quando a onda de protestos chamada “Primavera Árabe” tomou conta dos países Árabes.

Os protestos tomaram o Egito, Tunísia, Líbia, Síria, Iêmen e Barein. Desses países o único governo que não foi derrubado foi a Síria.

Nesses 6 anos de guerra já morreram mais de 400 mil pessoas nos conflitos, que parecem estar longe do fim.

Quem são os rebeldes?

Só a cidade de Allepo possuí mais de 40 facções armadas, então na Síria há inúmeros grupos rebeldes lutando contra o Governo Assad e contra outros grupos armados.

Em 2014 entrou em cena o grupo Estado Islâmico (ISIS), lutando contra o governo e contra os grupos rebeldes, fossem eles jihadistas ou moderados.

Apoio internacional?

EUA.

Os EUA entram no cenário com sua coalizão de países do ocidente, além de potências regionais como Irã, Turquia e países do Golfo Pérsico. Eles apoiam grupos rebeldes moderados e opõem se ao Estado Islâmico e o governo Assad.

Rússia.

A Rússia também interfere na guerra dando apoio ao governo de Assad na luta contra os rebeldes.

O Kremlin tem sido um aliado constante do regime sírio, mesmo antes do início do conflito. Além de um comprador importante para sua indústria bélica, a Rússia tem um interesse estratégico na Síria: mantém a base naval de Tartus, sua única no Mar Mediterrâneo.

Irã.

Opõe-se ao “Estado Islâmico” e a militantes islâmicos de orientação sunita. Apoia o governo de Assad.

Uma das potências da Região, o Irã também tem um histórico de aliança com o regime sírio, a quem já deu apoio militar e financeiro. O Irã tem na Síria um aliado para frear a influência de seu principal rival no Oriente Médio, a Arábia Saudita.

Arábia Saudita

Grande rival do Irã no Oriente Médio, a Arábia Saudita é parte da coalizão liderada pelos EUA para atacar o “EI”. O ministro das Relações Exteriores da Arábia Saudita já defendeu uma intervenção militar na Síria, ou um armamento mais ostensivo dos rebeldes.

Enquanto os países procuram defender seus interesses, centenas de civis morrem nessa guerra, e centenas ainda irão morrer até que possam encontrar uma saída neste entrave internacional e local.

Comments

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Inline
Inline