Empresa de ônibus alega falta de condições de trabalho e para de operar em Vargem Grande Paulista

A população foi pega de surpresa nesta terça-feira (31/07) com o anúncio da interrupção do serviço de transporte publico municipal de Vargem Grande Paulista, prestado pela empresa Valli Transportes.

O prefeito Josué Ramos, usou as redes sociais para informar que estava decretando estado de emergência no transporte publico da cidade, durante transmissão também acusou a empresa de transporte a descumprir contrato e a responsabilizou por deixar a população “na mão”.

O prefeito também afirmou que seria usado ônibus e vans da prefeitura para efetuar o transporte gratuitamente à população, durante este período de regularização.

Por outro lado a Empresa Valli diz que está há 1 ano e 6 meses sem contrato, tendo procurado o prefeito inúmeras vezes para regularizar a situação e que a prefeitura nada fez.

A empresa alega que sofre com a concorrência que passa nos horários de picos não levando idosos e pessoas isentas de pagamento de passagem, causando prejuízos a empresa, visto que a prefeitura não fornece subsídios para a compensação do problema.

O Fique Por Dentro, investigou toda a história do transporte publico do município, que começou com a empresa Viação Cidade de Ibiúna. Em maio de 2016, a empresa sofreu com vários problemas financeiros e abriu falência após ter vários ônibus apreendidos em uma blitz que constatou problemas desde a documentação atrasada a mau estado de conservação dos veículos.

Prefeito na época, Roberto Rocha, abriu um contrato de emergencial de 6 meses com a empresa Valli, com a promessa de que futuramente abriria uma licitação. A licitação até foi aberta, mas após problemas no processo licitatório foi pré-cassada pelo atual prefeito Josué Ramos.

De acordo com informações a empresa Valli Transportes alega que tentou negociar inúmeras vezes com a prefeitura para a efetivação de um processo licitatório que regulamentasse as linhas municipais.

Estava com prejuízo devido a falta de organização e a concorrência com o transporte alternativo nos horários de pico, pois todos meus funcionários são registrados, pago todos os impostos devidos e possuo seguro para os passageiros, disse Adilson Lima proprietário da empresa.

O empresário disse que na última reunião, após cobranças para regularização de contrato e licitação que o prefeito afirmou que não podia fazer nada, pois a empresa Valli Transporte atuava de forma irregular assim como os outros transportes alternativos (lotações).

Foi a gota d’água.

Estou no prejuízo há muito tempo e mesmo assim não deixei de honrar meus compromissos com meus funcionários, exitem muitos gastos operacionais e infelizmente não posso ficar no prejuízo por culpa da administração pública.

Nesta manhã (01/08) pessoas reclamavam que as vans prometidas pelo prefeito não passaram em todas as linhas e se indignavam com o descaso pela população que não tinha transporte para trabalhar.

Comments

comments

Inline
Inline